Follow by Email

domingo, 7 de agosto de 2011

Minha vida com Boris – uma história de luta pelos seus direitos





Dra. Thays Martinez estará no dia 08/08/2011 no Jornal de Serviço às 10:00 hrs na Rádio Jovem Pan AM




Com uma narrativa envolvente, a biografia Minha vida com Boris – A comovente história do cão que mudou a vida de sua dona e do Brasil detalha o relato de um triunfo da cidadania. No vibrante resgate das memórias, Thays aborda também a profunda amizade com Boris – uma conexão baseada em confiança e cumplicidade que deixa como legado uma comovente história de afeto para além da vida. A obra traz ainda o relato de aspectos que permeiam o dia a dia de pessoas com deficiência visual – a escolha de roupa e maquiagem, a locomoção, as relações interpessoais, a vida no ambiente corporativo, as conquistas profissionais, o aprimoramento pessoal, a faculdade e pós-graduação e a convivência com cães-guia – Boris e Diesel – de personalidades diferentes. Aspectos que, compartilhados com os leitores, transformam-se em um diálogo rico sobre como enfrentar os desafios do dia a dia com posturas inovadoras, bem-humoradas, flexíveis a mudanças e, principalmente, motivadas pela coragem de sempre buscar a superação. Um diálogo inspirador para pessoas com deficiência ou não.
Nos 10 anos em que estiveram juntos, a advogada Thays Martinez e o cão-guia Boris não só converteram a convivência cotidiana em amizade como foram protagonistas de um capítulo importante da defesa da cidadania e inclusão social no Brasil. Em maio de 2000, recém-chegada dos Estados Unidos, a dupla saiu de casa para trabalhar e… para fazer história. Nesse dia, teve início uma disputa que durou seis anos com a Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô) – que os impediu de entrar nas instalações, alegando que não era permitido a entrada de animais no local. A luta de Thays e Boris em defesa dos direitos das pessoas com deficiência visual inspirou duas leis que hoje garantem o acesso de cão-guia em espaços públicos e privados – Estadual e Federal, em 2001 e 2005, respectivamente – e deu origem a uma bela história de amizade e parceria, ricamente descrita no livro “Minha vida com Boris – A comovente história do cão que mudou a vida de sua dona e do Brasil”.
A obra, publicada pela Globo Livros, contará com uma sessão de autógrafos em 16 de agosto, a partir das 18h30, na Livraria Cultura (Avenida Paulista, 2073 . Conjunto Nacional). Na ocasião, será lançado também o audiolivro da obra.
leia uns trechinhos do livro:


Página 45
(…) “Lembro-me de uma vez em que estava sozinha com o Boris, seguindo uma rota prede­finida pelos instrutores, que nos acompanhavam à distância e de bicicleta, interferindo apenas em casos extremos. No dia anterior havia chovido muito e, em determinado trecho, o Boris resolveu empacar. Eu o mandava seguir e nada. Ele teimava em pegar um atalho, e eu insistia para que ele seguisse em frente. Ele queria, a qualquer custo, me fazer subir em um montinho de terra e grama que ficava próximo da rua. Eu, que já estava escolada com as coisas que ele aprontava, fui bem enérgica. Mas ele nada de seguir adiante. Daí, o Boris resolveu me levar para o outro lado. Quando me dei conta, estava dentro do jardim de uma casa. Foi então que chegou Moisés, que havia acompanhado a cena de longe, para es­clarecer que ali havia uma grande poça de água. Enquanto todos os outros cães passaram pela água, Boris a evitou e ainda me deu uma alternativa. Até hoje acho maravilhoso lembrar o quanto Boris já era um cachorro cuidadoso.”


Página 53
(…) “Naquela manhã de maio o clima ameno combinava perfeitamente com a satisfação que eu sentia por estar retornando ao trabalho com muito mais liberdade. Boris também estava tranquilo e feliz. O que não poderíamos imaginar é que estávamos saindo de casa para fazer história.Quando o primeiro funcionário do Metrô informou que eu não poderia entrar com o Boris, achei quase natural, mas quando ouvi um quarto funcionário dizer que o Jurídico havia mandado o recado que eu não poderia mesmo entrar com o cão, eu simples­mente não queria acreditar.”