Follow by Email

sábado, 31 de dezembro de 2011

A todos que nos acompanham nessa luta por melhor qualidade de vida para nossos amigos de patas.

A todos que ajudam, torcem, repassam, oram.

Aos nossos Adotantes

A você.


Prepare o seu cão para a noite de passagem de ano




Quando amanhã soarem as 12 badaladas, em muitos locais será lançado fogo-de-artifício para dar as boas-vindas ao novo ano. Há também quem bata as tampas do tacho para afuguentar os maus espíritos. Barulhos mais do que suficientes para assustarem até o mais corajoso dos cães. Para evitar que algo de mal aconteça ao seu amigo de quatro patas, a associação ANIMAL deixa-lhe aqui alguns conselhos:


OS PERIGOS DOS FOGOS:

Fugas – os animais perdem-se, podem ser atropelados, provocar acidentes, etc.;

Mortes - enforcando-se na própria coleira quando não conseguem rompê-la para fugir, atirando-se de janelas; atravessando portas de vidro, batendo com a cabeça nas paredes, grades, etc.;

Graves ferimentos - quando são atingidos por foguetes, ou sem saberem abocanhando um rojão achando que é um brinquedo;

Traumas - com mudanças de temperamento, nomeadamente para pânico e/ou agressividade;

Ataques - investidas contra outros animais e contra humanos, mesmo que estes sejam seus conhecidos;

Mutilações - no desespero para fugir podem mutilar-se ao tentar atravessar grades e portões;

Convulsões (ataques epiléticos);

Afogamento em piscinas, tanques e poços;

Quedas de andares ou de alturas superiores;

Aprisionamentos indesejados em locais de difícil acesso;

Paradas cardiorespiratórias.


RECOMENDAÇÕES:

- Acomodar os animais dentro de casa, onde se possam sentir em segurança, com iluminação suave e se possível um rádio ligado com música;

- Fechar portas e janelas para evitar fugas e suicídios;

- Dar alimentos leves, pois os distúrbios digestivos provocados pelo pânico podem matar (torção de estômago, por exemplo, especialmente em animais de porte grande);

- Cobertores pesados estendidos nas janelas ajudam a abafar o som, bem como cobertores no chão ou um edredom sobre o animal;

- Não deixar muitos cães juntos, pois, excitados pelo barulho, podem lutar até a morte. Tente deixá-los em quartos/divisões separados, para evitar que na altura dos fogos se mordam uns aos outros por desespero;

- Algumas horas antes da meia-noite leve os animais para perto da televisão ou de um rádio e aumente aos poucos o volume, de forma a que se distraia e se vá habituando ao som alto. Assim não ficará tão assustado com o barulho intenso e inesperado dos fogos;

- Alguns veterinários aconselham o uso de tampões de algodão nos ouvidos; podem ser colocados alguns minutos antes e tirados logo após os fogos

- Por favor não tome a iniciativa de sedar um animal. Nunca deve recorrer a calmantes e/ou sedativos sem que estes estejam devidamente prescritos pelo médico veterinário assistente.

- Todos os animais se assustam facilmente nas épocas festivas com o barulho dos foguetes. O pânico desorienta-os, e fá-los correr desorientados e sem destino.

Tente evitar as situações acima descritas garantindo aos animais condições mínimas de segurança, evitando ambientes conturbados e barulhentos (desde antes da meia-noite – umas três horas antes seria o ideal), passe-lhes paz e tranquilidade, dando-lhes a sensação de que tudo está bem e sob controle.



 








sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Vacinar ainda é a melhor e MAIS BARATA forma de prevenção.

Uma vacina para as doenças caninas custa em torno de R$ 50,00. Uma vacina contra raiva custa em torno de R$ 25,00.

Uma consulta quando o seu cão começa a ter diarréia e suspeita de cinomose vai custar em torno de R$ 80,00.

Apenas raciocinando em termos de DINHEIRO: 

O QUE É MAIS BARATO ?

O mesmo vale para os gatos e as doenças dos gatos.



Felino confirmado laboratorialmente para Raiva, domiciliado no Município de São Paulo

Um Felino do Bairro de Moema foi confirmado laboratorialmente positivo para Raiva, 

Histórico

Em 04/10/2011, a proprietária de uma casa que abriga animais encaminhou, ao Serviço de Patologia da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP, um gato que morreu no dia 03/10/2011, para a investigação da causa da morte.

Esgotadas as patologias pesquisadas, o material foi encaminhado para o Laboratório de Diagnótisco de Raiva da referida Faculdade, com resultado de IMUNOFLUORESCÊNCIA POSITIVA PARA VÍRUS RÁBICO, provável variante de morcego (laudo definitivo em andamento).

Há 28 anos não se registram casos de raiva em cães e gatos na Capital (em 1983 ocorreu o último caso de raiva em cão por variante canina).

Investigação:

O Município de São Paulo desencadeou a busca ativa dos casos que tiveram contato com o animal morto. 

De 02 a 05/12/2011, foram contabilizados 22 felinos, 5 cães e 15 pessoas, sendo: três moradores (incluindo a proprietária, seu esposo e a filha), uma sobrinha e seus dois filhos frequentadores da casa, sete amigos da filha e dois vigilantes particulares do bairro. Não foram identificados casos sintomáticos, entretanto, há notícias de outras mortes em felinos na mesma moradia.

De acordo com a proprietária, um felino fugiu em 03/12. Vizinhos relataram a presença de morcegos na região, que é muito arborizada.

17.12 - Campanha de Adoção - Última do Ano


Ultima Campanha de 2011.

   Retornaremos em janeiro de 2012

Desejamos a todos um Verdadeiro Natal
       E um Ano Novo de Renovação.
      
natal cão e gato.jpg

   
 Que em cada coração possa renascer a
Paz e a Esperança de um mundo melhor.





Sábado, dia 17.12
Largo do Machado - RJ.


feira 17.12.jpg

Campanha de Adoção
de cães e  gatos

das 10h às 18h
Venham conhecer nossos peludinhos



Tragam suas  DOAÇÕES

·      Toalhas, lençóis, colchas usadas
·      Medicamentos ( principalmente vermífugos,
capstar, prednisona, doxiciclina, amoxicilina)
·      Ração seca e pastosa para cães e gatos, adultos e filhotes
·      Comedouros, coleiras, caminhas
·      Coleiras, caminhas, potes, mesmo usados.


quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Para Reflexão











“ A cultura antropocêntrica ensina a tratar os animais como coisas. Permite que pessoas andem a cavalo, explorem vacas, comprem bichos de estimação...

Mesmo em nações ditas civilizadas e no seio de religiões que apregoam a compaixão, usar e abusar dos animais não é socialmente considerado violento ou imoral.

Que cegueira é essa, que levou a raça humana a tamanha truculência?

Como nós, os animais têm medo, ficam angustiados e sofrem quando sentem dor. 

Mais ainda: são plenamente capazes de sentir amor, saudade, ternura, alegria, tristeza, solidão, gratidão, solidariedade, frustração, compaixão... 

Tais semelhanças nos aproximam mais do que nos separaria o fato de os animais não raciocinarem. Sentir é tão importante quanto pensar: eis a grande lição da vida! “

Por um mundo melhor, pelas pessoas, pelos animais e pelo planeta.



quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

O que pensar antes de comprar ou adotar um animal de estimação?





Adotar um animalzinho é uma responsabilidade enorme que você assume, então pense muito bem antes de tomar essa atitude. Um animal não é um objeto que você pode enjoar e jogar fora, é uma vida que você vai ter que cuidar com todo carinho, e que com certeza também vai te trazer muitos benefícios!



Adquirir a tutela de um animal é um grande compromisso, mas muitas vezes as pessoas compram ou adotam animais por impulso, sem nem lembrar que o animal pode viver por anos e anos. “Achar bonitinho” não é o único ponto que se deve considerar para levar um animal para casa!


Cachorro e menino (foto: sonya etchison - Fotolia)
Cachorro e menino (foto: sonya etchison - Fotolia)


Vejamos o que mais você deve rever antes de adotar um novo animalzinho:

  • Observe se você tem um bom espaço para o animal e tempo o suficiente para se dedicar à ele. Os animais precisam sempre de atenção, para que se mantenham saudáveis.

O ideal é que o lugar que ele vai ficar seja de pelo menos 3mx3m. Quanto ao tempo, o ideal é que se dedique no mínimo 2 horas por dia para brincar com ele.

  • Você terá disposição de cuidar do seu animal por todo o tempo que ele viver, mesmo sabendo que, como qualquer ser vivo, ele pode vir à ter problemas de saúde?

Alguns animais podem viver por 20 anos ou mais e nesse tempo, eles podem ter qualquer tipo de problema. É preciso que você esteja sempre disposto à levá-los ao veterinário, principalmente se notar algo diferente no comportamento dele.

  • Se você já tem animais em casa, precisa pensar na compatibilidade entre eles e o novo animal, para que nenhum deles precise viver trancado depois.

Pode parecer que não, mas isso afeta muito a saúde mental dos animais, podendo até fazê-los adoecer.

  • Caso você tenha alguma emergência ou simplesmente quando for viajar, tem alguém que se comprometa a cuidar do seu animal por você? Ou então conhece algum hotelzinho de confiança, com boas referências?
  • Converse com todos os moradores da sua casa, e só adote se todos estiverem de acordo com a adoção. Isso evitará possíveis futuros conflitos, e o mais importante: evitará que você precise se desfazer do animal mais tarde.
  • Caso você more sozinho(a), avalie o seu estilo de vida antes de adotar. Se você trabalha ou estuda o dia inteiro ou mora em apartamento, por exemplo, não é indicado que você adote um cachorro.

Pesquise quais animais seriam interessantes de adotar, para que ele tenha um bom desenvolvimento e uma boa qualidade de vida.

  • Não adote apenas por caridade, adote apenas se você realmente quiser adotar. Muitas pessoas que fazem esse ato apenas por dó do animal, acabam se desfazendo dele depois. Os animais também se apegam aos donos, e a separação pode deixá-los doentes.

Caso veja que existe algum animal precisando de um novo dono, procure saber de alguma instituição que possa ajudar.

  • Se existirem crianças pequenas na casa, evite acidentes adotando cães de no mínimo, 6 meses de vida. Nessa idade, geralmente o animal já consegue fugir sozinho de alguma brincadeira ou situação que possa machucá-lo.

O ideal é que se espere a criança completar no mínimo 6 anos para começar a ter contato direto com animais. Antes dessa idade, a criança pode machucar o animal ou vice-versa, devido à falta de noção da força que ambos têm.

  • Como citado anteriormente, alguns animais podem até passar dos 20 anos de idade. Sendo assim, você vai ter que investir sempre em boa ração, vacinas, dar banhos, levar ao veterinário periodicamente, dar um bom abrigo, dar atenção e carinho ao seu animal até o último dia de vida dele.

Adotar um animalzinho é uma responsabilidade enorme que você assume, então pense muito bem antes de tomar essa atitude.

Um animal não é um objeto que você pode enjoar e jogar fora, é uma vida que você vai ter que cuidar com todo carinho, e que com certeza também vai te trazer muitos benefícios!

IMPORTANTE: Se seu animalzinho tiver que ficar acorrentado ou preso a maior parte do dia, não adote!

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011


Sábado, dia 10.12
Largo do Machado - RJ.



Campanha de Adoção
   de cães e  gatos

       das 10h às 18h
Venham conhecer nossos peludinhos

Tragam suas  DOAÇÕES

  
  • Toalhas, panos, caminhas
  • Medicamentos ( principalmente vermífugos,capstar, prednisona, doxiciclina)
  • Ração seca e pastosa para cães e gatos, adultos e filhote
  • Comedouros, coleiras, 


terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Bem estar animal não é sinônimo de caridade


O animal representa a natureza primitiva e instintiva de que todos nós somos constituídos. O animal é parte da natureza e, como tal, não é bom nem ruim, obedece apenas ao seu instinto, que é também o fundamento da natureza humana e, se não for integrado à sua personalidade, pode ser extremamente perigoso. A necessidade de implantarmos, uma nova mentalidade capaz de permitir uma relação de respeito com os animais e a natureza em geral, permitirá também, o desenvolvimento de atitudes éticas na sociedade.


menino cachorro abraco pose petrede Bem estar animal não é sinônimo de caridade


O grande desafio dos centros urbanos que visam a melhoria da qualidade de vida enfocando a ética, é conseguir implantar e fortalecer a idéia, de que o bem estar animal não pode mais ser considerado como um ato de caridade e sim como uma obrigação legal.

A população de pequenos animais, que vivem e sobrevivem , em relação direta com as condições do meio ocupado pelo homem, não podem continuar sendo abandonados. Esta situação requer a urgência de unir esforços da comunidade, para que se obtenha o controle de natalidade, enfatizando a necessidade de sensibilização da população sobre a posse e responsabilidade de animais de estimação.

O abandono de um animal é um ato cruel e degradante, demonstração clara, de falta de caráter e incapacidade para assumir compromissos, e caracteriza-se num crime.

Incentivando as pequenas iniciativas individuais e apoiando as entidades sérias, obteremos um resultado surpreendente, promovendo muitas adoções e a possibilanto a continuidade do imprescindível trabalho de conscientização. Precisamos agir assim, dando sempre continuidade as boas iniciativas, estimulando a idéia que a proteção dos animais se faz através da Boa Ação, e não apenas com Doação.

O engajamento das escolas, na luta em defesa dos direitos dos animais e preservação da natureza , tem um papel relevante para que as crianças passem a trazer consigo um compromisso ético para com o meio em que vivem, combatendo as atitudes do comportamento violento e criando uma sociedade melhor, onde viverão seus filhos e netos.

O respeito ao direito dos animais, assim como as riquezas naturais, precisam também passarem a ser encarados como potenciais turísticos, pois demonstra que existe na cidade um alto grau de civilidade.

A defesa do direito dos animais se faz estimulando a cidadania, o desejo de fortalecer a responsabilidade social, e não apenas como um ato filantrópico. Precisamos combater a causa e não ficar se preocupando apenas em controlar as consequências.

Esta nas mãos de cada um, que se dispõe a ajudar os animais a possibilidade de encontrar a solução, se souber compartilhar suas idéias, promovendo a posse responsável e a castração. Na causa animal não existe vencer, mas sim convencer seus semelhantes a serem mais sensíveis e unidos em prol dos animais.

Vininha F. Carvalho

Jornalista, administradora de empresas, economista e ambientalista, atuando como defensora do direito dos animais.
http://www.animalivre.com.br







Fonte:http://blogs.jovempan.uol.com.br