Follow by Email

domingo, 2 de dezembro de 2012

Cãozinho é resgatado no meio do Oceano Atlântico


1 resgate no oceano Cãozinho é resgatado no meio do Oceano Atlântico
2 Resgate no oceano Cãozinho é resgatado no meio do Oceano Atlântico

Charlie Head fazia a travessia pelo mar a remo, de Cornwall para Londres, no Reino Unido, quando viu o fofinho equilibrando-se em pedras, no meio do Oceano Atlântico.

Ele remou até o bichinho e o resgatou. Tudo foi filmado graças a uma câmera que ele tinha no capacete (o vídeo está abaixo!).

O cãozinho shih-tzu, que ganhou o nome de Bambam, estava aterrorizado. E não é para menos, como ele foi parar lá? E como nadou na água gelada? É frio, gente!

— Em 10 minutos a rocha teria sido coberta com água.

No começo do resgate, o cão estava com medo, mas depois, percebeu que Charlie queria ajudá-lo.

Por ter um chip, o dono dele já foi identificado, e enquanto não conseguem contato, Bambam está bem cuidado em um santuário inglês para animais. E Charlie vai seguir sua jornada pelo Atlântico.

— Foi ótimo ajudar o pequeno cão, espero que a boa ação me traga um pouco de sorte e ajude a completar o resto dos desafios.

Boa sorte, tio Charlie, torcemos por você!


Emocione-se com o resgate no vídeo:



Fonte: http://noticias.r7.com/blogs/patas-ao-alto/

sábado, 1 de dezembro de 2012

Cão perdido faz policial virar o homem mais desejado da Suécia




Policial que achou cão Cão perdido faz policial virar o homem mais desejado da Suécia

A gente sempre soube disso. Humano macho com criança ou cachorro vira chamariz de mulherada.

O policial Henrik Ruonala, da Suécia, achou o Yorkshire no subúrbio de Estocolmo, recolheu e postou uma foto no Facebook carregando o bicho.

O cão achou seu dono. Mas o lucro dele foi bem além disso.

O cara virou o mais paquerado na Suécia. 25 mil visualizaram a foto, 2 mil compartilharam e e 1.700 mulheres escreveram para ele.

Entre os comentários estão convites para jantar, para encontros, elogios aos dois animais, até que uma mais ousada finaliza:

—É guerra agora senhoras, o homem de uniforme é meu.


Fonte:http://noticias.r7.com/blogs/patas-ao-alto

Cachorra akita salva a vida de dona engasgada


akita salva a vida da dona Cachorra akita salva a vida de dona engasgada


Sheba percebeu que a dona estava engasgada e a salvou, no Reino Unido.

Aysha Perry comeu frango e algo ficou preso na garganta. Percebendo o sufoco da dona, a akita Sheba pulou nas costas dela, e a comida saiu.

— Doeu um pouco, pois é um cão enorme, mas não posso reclamar. Estava em casa sozinha, achei que ia morrer.

A dona conta ainda que, depois que o susto passou, Sheba a lambeu, para se certificar de que estava tudo bem.

Akitas japoneses são conhecidos por seu protecionismo. Mães no Japão, nos tempos antigos, deixavam esses cães cuidando de suas crianças.

Trata-se do mesmo cão do filme Sempre ao seu lado, aquele do cachorro que acompanha o dono todo dia no trabalho e que todo mundo morre de chorar. Perdeu? Então é a dica para seu final de semana.

Fonte:http://noticias.r7.com/blogs/patas-ao-alto

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Os gatos conquistaram a sociedade superando as crendices


Sara -Para Adoção

Os gatos sempre foram alvo de muitas crendices: -“Se você ver um gato preto numa sexta-feira 13 é melhor fazer o sinal da cruz para evitar má sorte”. “Cruzar com gato preto na rua dá azar”. ”Quem pisa no rabo de um gato não casa no ano, só nos anos seguintes”.

A superstição teve origem na Idade Média, quando se acreditava que estes felinos, devido a seus hábitos noturnos, se tornaram amigos inseparáveis da mística figura da feiticeira, surgindo a lenda que eles possuiam sete vidas.

Apesar dos esforços empregado para acabar com eles, dificilmente diminuíam em número. Isso porque, já naquela época, havia muitos de seus defensores, pessoas que escondiam e criavam gatos secretamente.

No século XV, o papa Inocêncio VIII (1432-1492) chegou a incluir o pequeno animal na lista de perseguidos pela inquisição, campanha assassina da Igreja Católica contra supostas heresias e bruxarias. Assim, os inquisidores afirmavam que só tendo mesmo parte com misticismo e afins, um animal sobreviveria, mesmo sendo tão caçado. Surgindo, assim, o termo que o gato tem sete vidas. Dizem que a escolha do “sete”, é pelo fato deste ser um número cabalístico: o sétimo dia foi o do descanso de Deus após a criação do universo, são sete os pecados capitais, as notas musicais e as cores do arco-íris. Na França, a perseguição aos gatos durou até 1630, quando foi proibida pelo rei Luiz XIII (1601-1643).

Os gatos, na realidade, são dotados de particularidades anatômicas e fisiológicas privilegiadas. É esse senso que permite que esses animais girem rapidamente no ar quando estão caindo de cabeça, reposicionando-se, e fazendo as adaptações necessárias para assegurar a “aterrisagem”

O gato esteve sempre unido à história do homem com um carisma totalmente diferente ao do cão. Sempre foi vítima de inverdades, inclusive que, para pessoas alérgicas, basta um contato com ele para ter péssimos efeitos.

Durante muitos anos foi dito que ter gatos em casa nos primeiros anos de vida aumenta as chances de crianças serem alérgicas, mas um estudo mostra exatamente o contrário, afirma o principal autor do relatório, Dennis Ownby, da Faculdade de medicina de Geórgia, em Augusta. Altos níveis de alergênios de gato em casa reduzem o risco de asma ao mudar a resposta imunológica aos felinos. Quanto mais uma pessoa se expõe a alergênios, como partículas de pó ou pólen, mais desenvolverá anticorpos e maior probabilidade terá de sofrer alergias ou contrair asma.

De acordo com um estudo publicado na revista Pediatrics, sobre a população dos Estados Unidos, mais de 500 mil crianças com menos de 6 anos de idade não teriam a doença se os fatores de risco domésticos fossem eliminados.

Os pesquisadores analisaram 400 crianças durante sete anos e descobriram que aquelas que estiveram expostas a dois ou mais animais de estimação tiveram a metade das chances de se tornarem alérgicas.

Reações alérgicas são causadas quando um anticorpo chamado imunoglobulina-E se associa a uma célula sanguínea chamada célula-mestre. Ao se ligar ao anticorpo, a célula-mestre libera substâncias químicas que causam as inflamações.

Há pelo menos mais quatro estudos recentes sugerindo que o convívio nos primeiros anos de vida com cães e gatos possa permitir que o corpo construa defesas contra os agentes capazes de produzir alergia

Segundo o cientista, Dennis Ownby, a saliva, as fezes e a urina dos cães e gatos transferem muitas bactérias do tipo gram-negativo e isso pode mudar a forma como o sistema imunológico da criança reage a essas bactérias, ajudando a protegê-la contra as alergias.

Para Ownby, os resultados do estudo estão de acordo com o que os médicos chamam de “hipótese da higiene”. A tese é que o sistema imunológico de pessoas que crescem em um ambiente limpo demais, sem contaminantes ambientais, pode reagir em excesso quando se depara com substâncias que provocam alergia.

Os pesquisadores da Universidade da Virgínia são otimistas sobre as descobertas do estudo porque consideram que permitirão entender melhor a relação entre a asma e a exposição aos alergênios, o que, por sua vez, poderá colaborar no desenvolvimento de novos tratamentos dessa enfermidade.

O Brasil ocupa o quinto lugar no ranking de países com maior prevalência de doenças alérgicas, perdendo para o Reino Unido, a Austrália, a Nova Zelândia e os EUA. Uma das hipóteses para explicar esse aumento seria a do excesso de higiene.

Segundo Luisa Karla de Paula Arruda, professora do Departamento de Pediatria da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, é preciso analisar a pesquisa. Ela diz que ainda não é possível afirmar se o efeito protetor das alergias é realmente originado das endotoxinas encontradas nos animais. O animal pode, em tese, proteger a maioria dos indivíduos, mas não posso dizer que isso vá acontecer para o indivíduo A ou B. Na maioria dos casos, é provável que a exposição tenha efeito protetor, mas essa proteção não é de 100%. Uma parte pode se sensibilizar.

Para a pediatra Maria Regina Guillaumon, desde que não interfira no desenvolvimento e no crescimento das crianças, a presença de um animal de estimação é benéfica. Segundo o veterinário Renato Miracca, 36, o estudo deve provocar muitos questionamentos. “Às vezes o animal é retirado sumariamente de casa, mas a reação alérgica pode estar sendo causada por outros fatores, como o cigarro e a poeira do ambiente”, orienta.

Durante a gestação, muitas proprietárias de gatos ficam com dúvidas sobre a segurança no convívio com esses animais. Embora a transmissão da toxoplasmose seja atribuída ao gato ela é transmitida mais frequentemente por outros meios. Cuidados simples permitem a convivência entre gatos e gestantes sem prejuízos.

Existe ainda o mito de que a toxoplasmose é a “doença do gato”, e esse pensamento equivocado é comum mesmo entre muitos médicos.

Os gatos podem transmitir a doença, mas para isso ocorrer eles devem estar infectados. Isso ocorre ao comer roedores, passarinhos e outros animais contaminados. O parasita então é passado nas fezes do gato na forma de oocisto, que é microscópio e pode ser ingerido pelo ser humano em algumas situações:

- Após limpar a caixa de fezes do gato;

- Comer alguma coisa que entrou em contato com fezes de gato infectado com toxoplasma.

O gato que fica dentro de casa, sem o hábito de caçar, raramente poderá estar infectado com a toxoplasmose. Um exame simples de sangue no felino é suficiente para eliminar as dúvidas.

Algumas dicas para evitar a contaminação:

- Lavar as mãos após o contato com carne crua;

- Lavar pias, tábuas de carne e outros utensílios;

- A carne deve ser cozida para o consumo;

- Lavar bem as frutas e verduras;

- Limpar diariamente a caixa sanitária do gato, pois assim as fezes são removidas antes que os “ovos” possam se tornar contaminantes. As mulheres grávidas devem evitar essa tarefa, ou utilizar luvas e depois lavar bem as mãos;

- Não alimentar os gatos com carne crua, vísceras ou ossos e não permitir que saiam de casa para que evitem o hábito da caça;

- Combater vetores, como insetos, por exemplo.

Quanto a questão da convivência de bebês e gatos especificamente, não há problema algum se algumas regras forem seguidas. Primeiramente, os animais devem estar com a vacinação em dia. Tanto a Polivalente quanto a Anti-rábica.

Não existe uma indicação de raças específicas para convivência com crianças. Existe o bom senso. A raça persa seria a mais indicada por ser quase que de “pelúcia” de tão mansos. Mas também existem outros felinos que podem conviver com crianças, desde que muito bem escolhidos pelos pais desde filhotes.

A companhia de um gato traz muitos benefícios psicológicos, e um deles é aliviar o estresse. Poder cuidar de um animal, ter um gatinho para abraçar faz você se sentir bem, e reduz o nível de estresse, pois influencia positivamente o seu humor.

Fonte: http://blogs.jovempan.uol.com.br/petrede

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Os gatos também têm de ir à escola

Pipoca - Para Adoção

A primeira aula é para o dono. Sem precipitações, deixe que o animal se habitue à casa, a si e ao restante da família, bem como a outros animais que possua. Dê-lhe tempo. Mais tarde, mãos-a-obra. Basicamente, não se deve educar um gato. Vai contra a sua natureza. Mas há certas regras básicas que lhes deve transmitir. Os gatos, como os cães, só aprendem experimentando, e é nessa altura que a lição tem lugar. Se ele faz algo bem, deve acariciá-lo. Fazer-lhe festas.

Se tiver à mão uma guloseima, ainda melhor. Se ele faz algo errado, aí, tem de o castigar na hora. Não vale a pena fazê-lo depois. Tem de ser logo após a arte feita. Se a punição surgir mais tarde ele vai associar a bronca a uma coisa diferente, não conseguindo estabelecer a relação causa-efeito pretendida. Nunca lhe bata com folhas de jornal. Aliás, não se deve bater, agressão física além de não resolver e não educar, irá traumatizar seu felino.

O gato também não pode perceber que é o dono quem o está a castigar, mas tem de entender que o que fez tem consequências de que não gosta. Por exemplo, se ele arranhar o sofá, faça um barulho alto, o assuste com o barulho, porque eles detestam ser surpreendidos. Bata palmas ou até pulverize água nele. Use uma lata com moedas. São dos melhores métodos de castigo. Além de que são ações que ele não associa à sua pessoa, mas a algo estranho, desconhecido.

Se o animal entender que está sendo castigado pelo dono, não só o vai evitar no futuro como é provável que repita a arte. Outro método, caso não tenha nada adequado para o assustar, é empurrar-lhe a cabeça com gentileza. Ao mesmo tempo, diga um não de forma firme. Ele começará a perceber. Treine-o desde pequeno, e não se esqueça de que quando são pequeninos têm comportamentos aos quais, na altura, achamos muita graça, mas que, mais tarde, deixaremos de achar.

Fonte: http://blogs.jovempan.uol.com.br/petrede

domingo, 25 de novembro de 2012

Cães voltam a andar graças a transplante de células-tronco


Cães que há pelo menos um ano estavam com as patas traseiras paralisadas recuperaram parte dos movimentos depois que tiveram células-tronco transplantadas diretamente para suas medulas espinhais


Até pouco tempo atrás, Jasper não conseguia mover as patas traseiras devido a uma lesão na medula espinhal. Ele conseguiu recuperar os movimentos após o transplante 
(May e Peter Hay)


Jasper, 10 anos, é um pequeno cachorro da raça dachshund que vive com um casal na cidade de Cambridge, Inglaterra. Há anos com as patas traseiras paralisadas devido a uma lesão na medula espinhal, o cãozinho recuperou os movimentos após um transplante de células-tronco nasais no tecido da medula danificado. Jasper faz parte de um grupo de cachorros que participou do primeiro teste que conseguiu recuperar uma lesão "real" de medula em um animal — e não uma lesão causada em laboratório. Os resultados foram publicados na edição deste mês da revista científica Brain.

As células transplantadas foram obtidas do bulbo olfativo (um par de pequenas estruturas situadas na parte mais posterior do cérebro que recebem informações de moléculas de odor captadas por receptores no nariz) dos próprios animais.

Realizado a partir de uma parceria do Centro de Medicina Regenerativa do Conselho de Pesquisa Médica do Reino Unido, e da Escola de Veterinária da Universidade de Cambridge, o estudo transplantou para as áreas danificadas da medula um tipo de célula nasal já conhecida por sua capacidade de restaurar partes de células nervosas. "Havia a hipótese segundo a qual essa célula-tronco (do bulbo olfativo) poderia servir como um eficaz conduíte para regenerar axônios nas zonas de transição entre tecidos avariados e intactos da medula espinhal", escreve o professor James Guest, do Departamento de Cirurgia Neurológica da Escola de Medicina Miller, da Universidade de Miami, nos Estados Unidos, em um comentário sobre a pesquisa, também publicado na Brain.

O pequeno Jasper fez parte de um grupo de 34 cães, todos com algum tipo de paralisia há pelo menos um ano, causada por danos severos à medula espinhal – nenhum deles conseguia mexer as patas traseiras. Metade da amostra, entre os quais Jasper, recebeu o transplante das células, removidas do bulbo olfativos e depois cultivadas em laboratório. Nos meses subsequentes, eles tiveram os avanços de coordenação motora monitorados em esteiras com o suporte de arreios.

O vídeo abaixo mostra Jasper antes do transplante de células e seis meses depois:


Cautela — De acordo com a Universidade de Cambridge, os cachorros que foram submetidos ao transplante apresentaram avanços consideráveis em relação ao grupo de controle. Eles conseguiram mover as patas antes inutilizadas e passaram a coordenar os movimentos com os membros anteriores.

Um dos autores do artigo publicado na Brain, Robin Franklin, da Universidade de Cambridge, afirmou que "os resultados são extremamente empolgantes porque revelam pela primeira vez que implantar esse tipo de célula numa medula espinhal severamente danificada pode trazer uma melhora significativa."

Em relação à aplicação humana, ele avalia que a técnica pode recuperar "pelo menos um pouco do movimento" prejudicado. "Estamos ainda longe de afirmar que podemos recuperar todas as funções perdidas. É mais provável que esse procedimento possa um dia ser usado como parte de uma combinação de tratamentos, ao lado de medicações e fisioterapias. Nós estamos confiantes que, no futuro, a técnica possa recuperar ao menos parte dos movimentos em humanos."

Para a professora Mayana Zatz, do departamento de Genética e Biologia Evolutiva da Universidade de São Paulo (USP) e colunista do site de VEJA, a pesquisa traz resultados otimistas, mas é preciso cautela porque, como os próprios autores do estudo reconhecem, as novas conexões nervosas só tiveram alcance em regiões próximas do traumatismo na medula espinhal. "A pesquisa mostra um caminho, mas é preciso cautela." 

Os pesquisadores ressalvam, por exemplo, que pessoas que sofrem com lesões na medula espinhal avaliam que a recuperação de funções sexuais e fisiológicas como mais importantes do que a mobilidade. Nesse sentido, nenhum resultado significativo na recuperação do controle do intestino e da bexiga foi observado no estudo.

Fonte:http://veja.abril.com.br

Estudo sugere que gatos do Egito antigo deixaram descendentes



Uma equipe de pesquisadores da Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade da Califórnia em Davis, nos Estados Unidos, descobriu que felinos mumificados no Egito antigo deixaram descendentes na população moderna de gatos do país. O resultado surgiu a partir de uma análise de DNA feita com múmias desses animais. O estudo foi publicado no Journal of Archaeological Science e foi coordenado por Leslie Lyons, que participou do grupo responsável por clonar um gato doméstico pela primeira vez em 2002. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.


Os antigos egípcios ofereciam pequenas múmias felinas como presente à Bastet ou Bast, sua deusa com cabeça de gato. Para isso, grandes criadouros de bichanos foram surgindo, onde os animais eram sacrificados, ressecados com natrão (mistura de sais comuns do Egito) e recobertos com óleos e resinas aquecidos. O processo antigo dificultou o estudo atual, pois não preservou o DNA dos animais.

O grupo conseguiu extrair, porém, material genético de três múmias felinas a partir de ossos das patas e da mandíbula. A análise das sequências genéticas provou que os gatos do Egito moderno ainda carregam linhagens de DNA mitocondrial dos ancestrais que viveram há 2 mil anos. Além disso, com as descobertas, Lyons sugere que o povo dos faraós foi o primeiro a produzir raças domésticas de gatos.

Fonte: http://www.jb.com.br/ciencia-e-tecnologia

sábado, 24 de novembro de 2012

Gato se esconde na mala e viaja para a Disney junto com a dona



A americana Ethel Maze, residente de Circleville, Ohio, nos Estados Unidos, foi curtir as férias na Disney, na Flórida e acabou levando um susto. Ao chegar ao hotel, a mulher se surpreendeu quando encontrou seu gato de estimação dentro da mala.


Ethel contou que não havia percebido que o gato havia se escondido dentro de sua mala. O bichano passou pelo aeroporto de Port Columbus e Orlando e só foi descoberto quando a dona chegou ao hotel, 10 horas depois.

“As autoridades do aeroporto ainda não sabem como o animal passou pela Agência de Segurança do Transporte dos Eua (TSA) em Port Columbus, já que os equipamentos de scanners são muito sensíveis”, disse a porta-voz da TSA, Sari Koshetz.

Fonte:http://blogs.jovempan.uol.com.br/petrede

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Como encontrar o arranhador ideal para o gato



Para não errar na hora de escolher um arranhador para o seu bichano, observe as preferências e necessidades dele. No começo, disponibilize mais de um tipo para o felino e veja qual ele gosta mais. Teste arranhadores de vários materiais: madeira, corda, carpete e papelão.

É importante saber que alguns felinos curtem mais arranhar superfícies verticais do que horizontais, enquanto outros preferem variar. Outra dica importante: quase todos os gatos gostam de arranhar objetos bem firmes. Portanto, escolha arranhadores grandes ou que possam ser fixados em algum lugar da casa.

Quando você encontrar o modelo que mais agrada o bichano, substitua aos poucos os tipos que ele não usa por aqueles que mais curte. Lembrando que, os arranhadores são um ótima pedida para evitar que o gato arranhe os móveis da casa.

Fonte: http://blogs.jovempan.uol.com.br/petrede
Autor: Alexandre Rossi

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Polícia Ambiental ministra palestra para alunos da rede municipal - Umuarama - PR


Estudantes da Escola Municipal Manoel Bandeira participaram ontem de uma palestra ministrada pelo sargento Clailton, da Polícia Ambiental de Umuarama. Os alunos receberam informações sobre tráfico de animais silvestres e animais ameaçados de extinção. “É muito importante que eles tenham conhecimento dos crimes cometidos contra a fauna silvestre e desenvolvam a consciência ambiental desde já, para que esses danos possam ser minimizados futuramente”, enfatizou o sargento. Segundo ele, a educação ambiental é uma das atribuições do Batalhão de Polícia Militar Ambiental. “Nossa função é instruir, tanto crianças quanto adultos, sobre a legislação ambiental e a importância da preservação da natureza e utilização sustentável de seus recursos, visando uma melhor qualidade de vida para a população”, completou.



Fonte: http://www.ilustrado.com.br


segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Ciência comprova a importância da convivência com os gatos



Perseguidos em diferentes épocas e vítimas históricas de preconceito, os gatos estão ganhando absolvição por meio de um papel inesperado: o de amigos e “terapeutas”. Em seu recém-lançado livro La Ronron Thérapie, a jornalista francesa Véronique Aïache explica, devidamente ancorada por trabalhos científicos, como o convívio com um bichano pode melhorar a vida das pessoas.


Catarina, Castrada e vacinada.
para adoção.
Ela relata, por exemplo, pesquisas como a do veterinário francês Jean-Yves Gauchet, que testou o poder do ronrom – o som emanado pelos gatos quando estão em repouso – em 250 voluntários, submetidos a uma gravação de 30 minutos do ruído de Rouky, o gato do veterinário. Ao fim do estudo, os participantes declararam sentir mais bem-estar, serenidade e uma facilidade maior para dormir.

Magnólia, castrada e vacinada.
Para adoção.

O poder tranquilizante dos felinos foi o porto seguro da gerente comercial Cris Sakuraba, 46 anos. “Não desmerecendo o medicamento, mas minha gatinha mudou minha vida”, diz. Cris sofria de ansiedade, estresse, depressão e agorafobia (medo de espaços abertos ou aglomerações), doenças que estavam minando sua qualidade de vida. “Agora estou 95% curada dos problemas.” A terapeuta Marisa Paes afirma que é capaz de fazer até quem não gosta dos bichanos se beneficiar da presença deles. “Mesmo quem tem medo de gato me procura. Comigo como mediadora, a pessoa vai se desbloqueando”, afirma.

Um, castrada e vacinada.
Para adoção.

Os tratamentos terapêuticos envolvendo animais começaram a ser desenvolvidos no Brasil no começo da década de 1950, pela psiquiatra Nise da Silveira. O tratamento foi uma alternativa com resultados palpáveis às terapêuticas agressivas, como lobotomia e eletrochoque. “Com o gato ronronando no colo, por exemplo, a pessoa desacelera, pois ocorre a mudança de frequência das ondas cerebrais do estado de alerta para o relaxamento”, diz Hannelore Fuchs, doutora em psicologia e especialista na relação do ser humano com o animal. Faz sentido. A frequência do ronrom é entre 25 e 50 Hertz, a mesma utilizadas na medicina esportiva para acelerar cicatrizações e recuperar lesões.

Dois, castrada e vacinada.
Para adoção.

No ano passado, a gigante de tecnologia Apple lançou em parceria com o veterinário Gauchet um aplicativo para iPhone que usa o ronrom para amenizar os efeitos que a diferença de fuso horário em viagens provoca. Um estudo de 2008 da Universidade de Minesota, nos Estados Unidos, mostrou que um bichano em casa reduz em até 30% o risco de ataque cardíaco, por ajudar a relaxar e aliviar o estresse. 
Brad Pitt, castrado e vacinado.
Para adoção.


Para adotar um de nossos gatinhos: 
tel (21) 7131-4586
patasparaadocao@gmail.com


Contato com cães libera hormônio ligado ao amor




Adotar um cão como animal de estimação é semelhante a ter filhos, afirmam cientistas. As experiências emocionais vividas pela companhia dos cachorros são equivalentes às da paternidade, segundo aponta uma pesquisa publicada na última edição da revista Hormones and Behaviour. As informações são do jornal britânico Telegraph.

Os pesquisadores descobriram que quando donos de cachorros brincam com os animais, liberam um hormônio ligado à sensação existente no cuidado infantil. Chamado de oxitocina, o hormônio está associado ao sentimento de amor, amizade e paixão, atenuando o estresse e a depressão.

A descoberta foi feita por estudiosos da Universidade de Azuba, no Japão, que recrutaram 55 pessoas. Os voluntários tiveram os níveis de oxitocina da urina analisados 30 minutos após brincarem com seus animais de estimação.

Os cientistas também verificaram a influência do contato visual dos proprietários de cães na liberação do hormônio. Nos testes, metade dos voluntários permaneceu cerca de 20 minutos sem poder olhar diretamente para seus bichos, Em seguida, eles puderam olhar nos olhos dos seus animais.

Após o experimento, os cientistas constataram que o nível de oxitocina dos voluntários havia aumentado em cerca de 20% apenas dois minutos e meio após voltarem a ter contato visual com seus bichinhos.

Com base na avaliação, Takefumi Kikusui – que realizou a pesquisa em parceria com o biólogo Miho Nagasawa -, disse que um aumento no nível do hormônio poderia explicar porque brincar com cães pode melhorar o humor e até mesmo atenuar os sintomas de ansiedade e depressão.

Acredita-se que a oxitocina pode ter desempenhado um papel fundamental na domesticação de cães e lobos, cerca de 15 mil anos atrás. “A razão que me fez essa investigação é porque eu sou um grande amante de cachorros e senti que algo muda no meu corpo quando eu estou em contato com meu cão”, afirmou Kikusui.

“Talvez durante o processo evolutivo, seres humanos e cães tenham vivido juntos para compartilhar experiências sociais, tais como o contato visual e gestual. É por isso que cães podem adaptar-se à sociedade humana”, complementou o cientista.

Um estudo anterior descobriu que os seres humanos aumentam os níveis de oxitocina ao olharem para fotografias de pessoas queridas com mais freqüência.






Fonte: http://blogs.jovempan.uol.com.br


sábado, 29 de setembro de 2012

Temos este direito?

Este texto é de 2001 mas continua atual em seus questionamentos



Temos este direito?


A fronteira tênue entre ciência e crueldade na rotina dos laboratórios esquenta no mundo todo o debate sobre a vivisecção.

Rodrigo Vergara (rvergara@abril.com.br)

Os alunos que ingressaram este ano no curso de medicina da Universidade de São Paulo (USP) verão menos sangue que seus veteranos durante a estada na faculdade. Pela primeira vez, a universidade vai abolir o sacrifício de cães em aulas sobre “o efeito de drogas na função cardiorrespiratória”. Nessa disciplina, os estudantes testemunham os efeitos de várias substâncias sobre os batimentos cardíacos e a freqüência respiratória. Agora, em vez de verem essas reações no tórax aberto de um animal anestesiado, que depois será morto, os alunos aprenderão com uma simulação em computador. Mudança semelhante ocorreu há um ano nas aulas de técnica cirúrgica na USP. Em vez de treinar sutura em coelhos, que depois eram sacrificados, os alunos passaram a “costurar” cães e gatos mortos naturalmente. As duas mudanças, ao que tudo indica, são definitivas.

Elas fazem parte de um movimento mundial de combate ao uso de animais em laboratórios, não só no ensino, mas também na pesquisa biomédica e para testar artigos de limpeza e cosméticos.

As mudanças são incontáveis e quase diárias mundo afora: de fabricantes de cosméticos que anunciam que não vão mais testar seus produtos em coelhos a governos que aprovam leis mais restritivas aos testes. No final do ano passado, a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que reúne os países desenvolvidos, anunciou sua intenção de abolir o DL50, um teste de toxicidade em que 20 ratos recebem doses crescentes da substância testada até dez deles morrerem. A decisão significa que produtos testados com o DL50 serão barrados nesses países. Em tempo: as alternativas para o DL50 usam, no máximo, nove animais. Ou seja: o sacrifício animal diminui, mas continua existindo.

Segundo Alan Goldberg, diretor do Centro de Alternativas para Testes em Animais da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, tido como uma autoridade no assunto, “desde 1976 o uso de animais usados em pesquisa biomédica caiu 15% no mundo todo”. Ainda assim, estima-se que a ciência sacrifique 40 milhões de animais no mundo por ano.

Para muita gente, no entanto, a redução está longe de resolver a questão. O problema é: podemos utilizar os animais para pesquisa? Os grupos de proteção dos direitos dos animais vêem na pesquisa com cobaias, conhecida como vivissecção – que significa “cortar vivo” –, dois enormes calcanhares-de-aquiles: o primeiro é que os testes seriam inúteis. Depois, mesmo que eles fossem úteis ou, mais que isso, vitais, ainda assim não teríamos o direito de fazê-los.

O principal argumento antivivissecção, que prega sua absoluta inutilidade, está expresso nas palavras do médico inglês Robert Sharpe, autor de Science on Trial (Ciência em julgamento, inédito no Brasil): “Homens e animais têm organismos e reações bioquímicas diferentes. Se um estudo com hamsters achar a cura do câncer, ela servirá só para curar o câncer em hamsters”. O efeito carcinogênico do cigarro é um caso clássico. Embora amplamente atestada por estudos epidemiológicos, a ligação entre câncer e tabaco seguiu sob suspeita por vários anos porque a doença não pôde ser reproduzida em animais. Por muito tempo, a indústria tabagista aproveitou o fato para negar o teor tóxico do seu produto.

“O uso de animais em laboratório é um recurso retórico. Usando diferentes espécies em projetos diferentes, os pesquisadores podem encontrar evidências que sustentam qualquer teoria”, diz Neal Barnard, presidente do Comitê Médico por uma Medicina Responsável, dos Estados Unidos. “No caso do cigarro, tanto as provas de que o tabaco é cancerígeno quanto as que asseguram sua inocência usaram animais como base.”

A crítica à suposta inutilidade dos testes em animais se estende às pesquisas de novas drogas. Apesar do enorme número de cobaias sacrificadas para testar a eficácia e os efeitos colaterais de novas substâncias, 95% dos fármacos aprovados em animais acabam descartados nos testes em voluntários humanos e não chegam ao mercado. Uma revisão realizada pelo governo americano nas drogas lançadas entre 1976 e 1985 revelou que 51,5% delas ofereciam riscos não previstos nos testes.

Vale também o raciocínio inverso: ao testar substâncias em animais, os cientistas poderiam descartar drogas promissoras para humanos só porque elas causaram mal a ratos ou porcos. A aspirina, por exemplo, causa deformidades nas crias de roedores, cães, gatos e macacos, embora para nós seja segura. Já a penicilina é fatal para o porquinho-da-índia.

A tese que valida a vivissecção surgiu no século XIX, quando o médico francês Claude Bernard começou a teorizar sobre a lógica científica do uso de cobaias. Ele defendia que todo conhecimento obtido em animais era válido para humanos. Hoje, poucos cientistas, mesmo os que se utilizam de vivissecção, sustentariam sua tese nua e crua. Mas a maioria crê que as diferenças entre humanos e não-humanos são superáveis. “Animais e homens são mais semelhantes que diferentes”, diz Marco Aurélio Amorim, coordenador da comissão de ética no uso de animais em laboratório da Fiocruz, no Rio de Janeiro. Maria Helena Catelli de Carvalho, professora do Departamento de Farmacologia do Instituto de Ciências Biomédicas da USP, concorda: “O projeto genoma mostrou que somos muito parecidos com ratos e camundongos”. E Alan Goldberg, do Johns Hopkins, completa: “Diferimos nos detalhes, mas somos parecidos o suficiente com animais para permitir paralelos.

Tomemos o caso da insulina, responsável por controlar o nível de açúcar no sangue. Ela cumpre essa função em várias espécies, além do homem”. Goldberg continua: “Em um animal, a insulina pode ser levemente diferente da insulina humana, mas é a mesma substância e tem as mesmas propriedades” .

O segundo round dessa disputa, ainda sobre a utilidade da vivissecção, diz respeito às conquistas da pesquisa biomédica, como vacinas e antibióticos. De acordo com a organização americana Fundação para a Pesquisa Médica, a evolução da expectativa de vida, que saltou de 47 anos, em 1900, para 75 anos, em 1985, nos Estados Unidos, deve-se a pesquisas com animais. Ou seja, os milhões de animais sacrificados salvaram milhões de vidas humanas. “O médico inglês William Harvey não teria feito suas famosas descobertas sobre a circulação do sangue em 1628 se não fosse por suas experiências com cervos”, escreve Deborah Rudacille em seu livro The Scalpel and the Butterfly (O bisturi e a borboleta, inédito no Brasil), sobre a história da vivissecção. E novas descobertas ocorrem a cada dia. Em Boston, vítimas de derrame recuperaram- se graças a injeções de células de feto de porco.

Os antivivisseccionistas acham esses resultados insuficientes para justificar o sacrifício de milhões de animais. Primeiro, eles duvidam do papel de vacinas, antibióticos e hipertensivos na evolução da saúde humana. Além disso, sustentam que a medicina tem muito menos bala na agulha para combater as doenças do que seus propagandistas querem fazer crer. Ou seja: os benefícios humanos, se existem, não compensam os custos animais.

Estudos realizados na Europa e nos Estados Unidos indicam que 90% dos fatores que determinariam a longevidade de uma pessoa devem-se ao estilo de vida, ao meio ambiente e à hereditariedade. Só 10% dependeriam da assistência médica (leia mais sobre isso em “A medicina doente”, capa da edição de maio da SUPER). Mas órgãos do governo americano que financiam pesquisas gastam em estudos com animais – ou seja, voltadas para o modelo biomédico – o dobro do que despendem em pesquisas em humanos.

Nessa guerra de argumentos, os antivivisseccionistas marcaram pontos importantes. Com publicidade agressiva, divulgaram imagens dos bichos estripados e atingiram a comunidade científica. Pesquisa realizada nos Estados Unidos por Scott Plous, da Wesleyan University, Connecticut, revelou que psicólogos graduados nos anos 90 têm metade da disposição em apoiar pesquisa com animais do que os titulados nos anos 70. Empresas com nomes associados à crueldade aboliram o teste de animais, temendo boicote dos consumidores. Muitas delas, após porem fim ao uso de cobaias, aproveitaram o fato como arma de marketing e adotaram um selo em seus produtos indicando que aboliram a vivissecção.

A mudança no mundo da ciência e das empresas acabou forjando um novo modelo para testes, hoje prevalente, que reconhece o sofrimento dos animais e se propõe a substituí-los por técnicas alternativas. Mas há ressalvas. Nos casos em que o bicho for considerado imprescindível, o máximo de alinhamento ético por parte dos cientistas é reduzir ao mínimo possível o sofrimento e a quantidade de cobaias.

Na esteira do novo modelo experimental, os métodos alternativos multiplicaram-se. Há hoje desde pele artificial a simulações de computador (leia quadro com exemplos nesta página). As ONGs que defendem o direito dos animais à vida sustentam que esses métodos podem substituir rigorosamente todos os testes com bichos.

A vitória dos ativistas, curiosamente, acabou resultando em ganhos de precisão e eficácia para a ciência. A redução do estresse e a padronização das condições do cativeiro reduziram o número de mortes de cobaias. E pesquisas recentes revelaram que barulho, manuseio, higiene e superlotação nos biotérios influenciam diretamente os resultados. “As cobras do Butantã passaram a produzir sete vezes mais veneno e a viver oito anos, em vez de um, depois que a coleta de veneno passou a ser feita com as serpentes anestesiadas”, diz Roberto Sogayar, do Instituto de Biociências da Unesp, em Botucatu, e ex-presidente da Comissão de Ética e Legislação do Colégio Brasileiro de Experimentação Animal.

Muitos pesquisadores discordam frontalmente. “Os testes in vitro são úteis, mas continuam pobres perto da acurácia que há nos testes em organismos vivos”, diz a professora Zuleica Bruno Fortes, do Departamento de Farmacologia do Instituto de Ciências Biomédicas da USP. “Além disso, certas substâncias só podem ser estudadas em um organismo vivo. Quando o animal morre, elas desaparecem. São procedimentos para os quais a vivissecção é imprescindível.” Sheila Moura, da Sociedade Fala Bicho, acredita que essa resistência esconde um dogma. “Muitos cientistas reconhecem que existem substitutos para os animais, mas ainda assim usam as cobaias por medo de que seu estudo seja questionado por não usar o método tradicional. Essa mentalidade precisa mudar.”

O segundo grande argumento antivivissecção é que não interessa se o uso de animais ajuda ou não a ciência: nós simplesmente não temos o direito de sacrificá-los. “A questão é moral. Se há um dilema em usar animais, então temos de buscar alternativas. Mas, se os usamos sob o argumento de que não há alternativas, então nunca vamos encontrá-las”, diz Rita Leal Paixão, professora do Departamento de Fisiologia e Farmacologia da Universidade Federal Fluminense, pesquisadora de ética aplicada e bioética da Escola Nacional de Saúde Pública da Fiocruz. Alguns exemplos corroboram suas palavras. Na Inglaterra, a proibição de usar animais para praticar microcirurgia levou à adoção de técnicas que usam placenta humana. Para o filósofo australiano Peter Singer, autor de Animal Liberation (Liberação dos animais, inédito no Brasil), um clássico sobre o assunto, há, sim, um problema ético em usar qualquer ser capaz de sentir dor.

A classificação dos seres em humanos e não-humanos, para Singer, configura “especismo”, uma discriminação que equivaleria ao racismo. “Há animais cujas vidas, por quaisquer critérios, são mais valiosos que as vidas de alguns seres humanos. Um chimpanzé ou um porco tem um grau mais alto de autoconsciência e uma maior capacidade de relações significativas do que uma criança com uma doença mental séria”, diz Singer. Ou seja: quem admite cortar um macaco em nome da ciência teria que admitir também cortar uma criança com paralisia cerebral, por exemplo. “Um dia, a experimentação animal será considerada tão absurda como hoje nos é a idéia do holocausto, da escravidão, da inquisição”, diz Sheila Moura, da Sociedade Fala Bicho. É ver para crer.





Para saber mais

Na livraria:
The Scalpel and the Butterfly, Deborah Rudacille, FSG, 2000

Animal Liberation, Peter Singer, Avon Books, 1999

A Verdadeira Face da Experimentação Animal, Sergio Greif e Thales Tréz, Sociedade Fala Bicho, 2000


Na internet
www.navs.org

www.fbresearch.org


quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Portugal - Crise faz disparar abandono de animais de estimação


Não é preciso estar muito atento para perceber que aumentaram os animais errantes pelas ruas, e não é por ser verão. A crise está a empurrar para fora de casa os elos mais fracos: os amigos de quatro patas. Tal como acontece em Atenas, por cá é na Grande Lisboa que a situação é mais visível e preocupante.






Abandono de cães e gatos em crescendo preocupante

Os cortes nos gastos já estão a atingir os animais de estimação. À sombra da crise, milhares de animais de companhia são abandonados de norte a sul do país: nas ruas, entregues aos cuidados de associações ou depositados em canis municipais.

De acordo com os dados divulgados pela Direção Geral de Alimentação e Veterinária só na Grande Lisboa a captura de animais errantes, cães e gatos, passou de 4442, em 2010, para 5629, em 2011. Um aumento considerável para quem está encarregue, não só, de tirar estes animais da rua, como de lhes dar um destino.

Os números deste ano ainda não estão disponíveis, naturalmente, mas os sinais de que a situação está em crescendo são evidentes, sobretudo quando a própria câmara da capital não só não está a fazer recolha, como tem o canil encerrado para obras, sem data para reabrir, como disse ao Expresso o vereador do Ambiente Urbano da Câmara Municipal de Lisboa, José Sá Fernandes, numa entrevista que pode ser vista num dos sete vídeos que acompanham este trabalho.

De lotação esgotada, a maioria das associações luta todos os dias para fazer face a um problema que cada vez mais caminha a par e passo com a crise. A falta de apoios, financeiros e alimentares, a diminuição do número de sócios e a falta de espaço para acolher tantos animais faz com que a vontade de ajudar seja incompatível com a realidade. Em tudo.

Mais animais, menos adoções: uma combinação preocupante
A balança mostra um desequilíbrio ainda maior quando o número de devoluções de animais se alia à indisponibilidade para adotar ou para adoções com prazo de validade, já que muitos animais são devolvidos ao fim de pouco tempo.

A insuficiente capacidade de resposta das associações aumenta com os pedidos de ajuda que chegam diariamente. A SOSAnimal, por exemplo, sediada há cerca de um ano em Caparide, fala de "30 a 40 pedidos de ajuda por semana" e de um baixo número de adoções, num ano que consideram estar a ser "muito crítico".

Às antigas razões apontadas para abandonar o amigo de quatro patas, como as alergias, os divórcios ou as férias de verão, junta-se agora a falta de dinheiro e a taxa de emigração que cresce com os problemas económicos do país. Tudo isto faz um cocktail onde, além do sofrimento dos animais, se alastra a problemas de saúde pública e até de segurança para as pessoas.

A Associação São Francisco de Assis, em Sintra, abriu as portas ao Expresso já que é outro exemplo do que está a acontecer: anualmente recolhe entre 350 a 400 animais, a ideia de "fechar portas" está, por enquanto, posta de parte, mas as dificuldades aumentaram e é cada vez mais difícil fazer face à situação.

Sobre isto, Maria João Pulido, uma das responsáveis por esta associação, salienta a "razoável" percentagem de animais que têm vindo a ser devolvidos e que agrava, não só o problema da falta de espaço, como dos meios de subsistência que se mostram diminutos.

Até nos veterinários são largados animais
Para quem o abandono do animal não é opção, o descuido dos cuidados veterinários deste começa, contudo, a ser uma inevitabilidade. São muitas as pessoas que pela sua fraca condição económica adiam os cuidados médicos do animal ou, no limite, acabam mesmo por se "esquecerem" de ir buscar o bicho após uma intervenção cirúrgica ou outro tipo de tratamento ambulatório.

A situação está de tal forma que a Ordem dos Médicos Veterinários disse ao Expresso que está a pensar numa forma legal de contornar esta situação. Resumindo: como podem os veterinários "desfazer-se" dos animais esquecidos nas clínicas, sem caírem na ilegalidade?

António Ferreira, médico e um dos responsáveis da Faculdade de Medicina Veterinária, diz ter uma ideia do que se passa nas clínicas - pelo feedback que recebe por parte dos colegas que exercem no privado - e explica que no Hospital Veterinário a situação não é tão grave, mas que já tem sinais claros dos efeitos da crise.

Este médico, que também ali é docente, não regista uma quebra das receitas hospitalares mas nota que as pessoas estão "mais retraídas" no momento de avançar para tratamentos mais dispendiosos.

"Não ao abandono dos animais" é insuficiente
Canis municipais, associações e entidades como a Ordem dos Médicos Veterinários, unem-se no apelo ao "não abandono dos animais".

Uma boa intenção, mas se o passado não resolveu o problema, muito menos agora conseguirá ter sucesso para travar o que está a acontecer. É que, como a crise não dá sinais de vir a passar nos próximos tempos, este é um problema que tende a agravar-se até ao ponto de atingir as proporções que tem neste momento a Grécia, como tão bem descreveu Clara Ferreira Alves na reportagem que fez em Atenas para o Expresso: "Os cães dormitam na sombra dos prédios e das igrejas, no vão das portas e das lojas, nas lajes das praças e monumentos. Dormitam e vagueiam, sem rumo, abandonados. São muitos. São demasiados."


Carlos Paes (infografia), Vanessa Sardinha (reportagem), André de Atayde e Fernando Pereira (vídeos)

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Vira-lata, sim!

Cães e gatos sem raça definida são tão inteligentes quanto os que vêm com pedigree e até mais resistentes. Considere isso na hora de escolher o bichinho que vai levar para casa




O designer gráfico André Rodrigues encontrou o vira-lata Perrengue em uma feira de adoção na capital paulista há oito meses. "Adotar um cão é como ter um filho. Você precisa readaptar sua rotina, programar os passeios e ter autoridade com o bicho", diz o paulistano de 27 anos.




Eles estão longe de serem considerados puros, não possuem características marcantes que os diferenciem e nem se encaixam exatamente em padrões de beleza. A palavra que os classifica, associada ao hábito de revirar latas de lixo em busca de comida, aparece nos dicionários como um sinônimo de "sem classe, sem-vergonha". Mas os cães e gatos sem raça definida (SRD) driblaram a má fama. E foi-se o tempo em que eram deixados do lado de fora das casas e relegados ao segundo escalão dos amigos de quatro patas. Segundo levantamento feito pelo Instituto Datafolha, que entrevistou 613 donos de cães na cidade de São Paulo, apenas 26% dos pets foram comprados. Estima-se, portanto, que o restante não tenha pedigree ou raça definidos. No caso dos felinos, uma pesquisa encomendada pela Comissão de Animais de Companhia, que reúne empresas do setor veterinário, aponta que quase 80% dos gatos dos lares brasileiros também estão na categoria SRD. 

MENOS NOBREZA E MAIS ESPERTEZA? 
Cães e gatos mestiços são tidos como mais inteligentes que a maioria dos animais de raça. E um estudo feito pela Universidade de Aberdeen e Napier, na Escócia, vem colaborar com essa teoria. A pesquisa aplicou sete testes diferentes em um grupo de 80 cães. De acordo com os profissionais envolvidos, os vira-latas apresentaram melhor noção de espaço e resolveram problemas — como procurar ossos embaixo de latas — com mais facilidade do que os colegas com pedigree. Mas a avaliação não é unânime. Daniel Guimarães Gerardi, professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre, por exemplo, não se entusiasma: "Os vira-latas são tão inteligentes quanto qualquer outro animal. Esse desempenho independe da raça. Está mais ligado a habilidades específicas de cada bicho". 

O quesito comportamento é outra variante a ser considerada na hora de adotar um pet mestiço. Para quem acha que eles podem ser uma fonte de confusão, a opinião de Marcelo Quinzani, do Hospital Veterinário PetCare, de São Paulo, não deixa de ser uma surpresa: "Vira-latas, principalmente os que têm um histórico de vida na rua, são mais dóceis", ele afirma. "Isso se dá devido ao instinto de sobrevivência. Sendo mais amistosos, eles conquistam mais cuidados." E os espertinhos são tão aptos ao adestramento quanto qualquer outro animal de estimação. Ainda está em dúvida? Pensando que pode ser um perigo levar um doce filhote para casa e vê-lo crescer demais e virar um grande problema? Pois saiba que, prestando atenção em alguns detalhes, dá para ter uma pista do porte do amigo de quatro patas que se vai adotar. 

ATENÇÃO E CARINHO 
Animais que tiveram suas características selecionadas por reproduções programadas tendem a desenvolver problemas típicos daquela raça. No caso de cães e gatos vira-latas, não há um biótipo específico. Eles têm diferentes pelagens, tamanhos e características físicas proporcionados pelos cruzamentos ao acaso. "Essa variedade genética contribui para que esses animais se tornem menos predispostos a desenvolver determinadas doenças, como insuficiência renal e dermatites", teoriza Daniel Gerardi. A paulista Veridiana Ravizza, de 37 anos, ganhou o SRD Zeca de uma amiga. "Desde que adotei meu gato, minha alergia respiratória praticamente desapareceu", diz a editora de cinema. Mas vale o alerta: isso não significa que a imunidade seja total. Avaliar a aparência física do cachorro, por exemplo, é uma boa maneira de investigar se existe predisposição a algum mal. "Cães de grande porte podem ter problemas articulares, enquanto os de focinho achatado tendem a apresentar dificuldades respiratórias", ensina Marcelo Quinzani. 

Ou seja, vira-lata também é bicho — trate da saúde dele como faria com qualquer animal de sangue azul. A vacinação deve estar sempre em dia, prevenir o aparecimento de pulgas, carrapatos e vermes garante o bem-estar e check-ups periódicos vão ajudar a mantê-lo sempre saudável. Quanto à alimentação, nenhum segredo: as rações devem respeitar o porte e a idade do animal. No mais, passeio e carinho são mais que bem-vindos. 

Isso posto, se você encontrar um desses animais na rua e resolver adotá-lo, o melhor a fazer é levá-lo logo a um veterinário e mantê-lo isolado dos outros animais da casa por alguns dias. Esse período de observação é importante para perceber se o bichinho tem alguma doença ainda incubada em seu organismo. Depois de um mês de avaliação, o veterinário poderá dizer se seu novo companheiro está suficientemente saudável para tomar as vacinas de praxe. Vale lembrar: cachorros e gatos, uma vez por ano, devem receber uma dose para espantar o vírus da raiva. Os primeiros recebem ainda a vacina múltipla, a V10, que protege contra cinomose, adenovírus, parainfluenza, parvovírus, coranovírus e dois subtipos de leptospirose, além de ser imunizados contra a gripe canina. Já os felinos devem ser vacinados para evitar rinotraqueíte, panleucopenia, clamídea e vírus calicivírus.


por CLARA CIRINO design SUELY DANELON fotos OMAR PAIXÃO

sábado, 15 de setembro de 2012

Animais de estimação podem diminuir chances de bebês adoecerem, diz estudo


Pesquisa aponta que o contato com o animais de estimação ajuda no desenvolvimento imunológico do bebê

Além de alegrar e divertir a vida do bebê, animais podem ser grandes amigos também da saúde da criança. Segundo uma pesquisa publicada na revista "Pediatrics", crianças que crescem com gatos e cachorros em casa têm maiores chances de terem menos infecções respiratórias durante o primeiro ano de vida.

A pesquisa, conduzida na Finlândia, acompanhou 397 crianças desde a gestação até completarem um ano de idade. Foi notado que os bebês que possuíam gatos ou cachorros passaram menos tempo com infecções de ouvido, tosse ou nariz entupido: 31% deles tiveram menos infecções e sintomas de problemas respiratório e 44% tiveram menos infecções de ouvido e receberam 29% menos receitas de antibióticos.

Segundo o estudo, um dos fatores da contribuição desses animais para a saúde do bebê é o fortalecimento do sistema imunológico da criança, que ainda é fraco e em desenvolvimento durante o primeiro ano de vida. Como os cães ou gatos podem levar sujeira e germes para dentro da casa, isso faz com que gere um amadurecimento ainda mais rápido do sistema imunológico, melhorando as defesas contra vírus e bactérias do ambiente.

No entanto, mesmo com os aparentes benefícios trazidos pelos animais, há limites. O estudou também apurou que crianças que passam menos de seis horas diárias com um cachorro têm menos chances de adoecerem em relação as que possuem contato direto com o animal.

Com base nas anotações dos pais participantes do estudo, os pesquisadores notaram que as crianças sem contato com um cachorro, por exemplo, eram 65% do tempo saudáveis, enquanto aquelas que tinham maior contato com o animal estavam 76% do tempo sem doenças.