Follow by Email

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

GATIZE-SE, IRMÃO, GATIZE-SE!

José Leão de Carvalho

(Trabalhava com transformações culturais. Foi presidente e fundador do Instituto

Latino-Americano de Ciências Cognitivas e Estratégia - ILACE)



É frequente, após um dos nossos cursos, alguém me pedir para que lhe recomende uma suplementação para humanizar o dia-a-dia. Variando de pessoa para pessoa, até sugiro algum curso, atividade ou assistência que me pareça adequar-se às necessidades de que a pessoa tenha consciência.

A todos, porém, costumo recomendar o que há de mais eficaz para o processo de recontacto com a sensibilidade básica de cada um. É adotar um gato.

Não só adotar. Procurar conviver e comunicar-se com. Comunicar-se é primeiro escutar. Entender.

- Ah, Leão, você está sendo radical!

Estou sim. Humanizar-se, reconquistar a sensibilidade em relação ao outro, exige uma iniciativa radical. E esta não se concretiza através de livros e cursos, mas de experiências simples e primárias.

Para começo de conversa, toda criança deveria receber um gato para cuidar. E ser observada em sua capacidade de amar e ser amada por esse animal-teste. É verdade que em alguns casos a criança também deveria receber outro pai, outra mãe e, principalmente, outra babá e outra avó. Refiro-me àqueles casos em que um adulto de espírito asmático, com a fobia de que a criança poderia apanhar bronquite com o felino, conspira para que não se realize a convivência com o animal pedagogo.


Vou mais longe. Proponho uma lei para o mundo civilizado: só pode ser pai ou mãe quem antes tiver sido aprovado por um gato após um estágio de 2 anos. Médico, então, só recebe o brevê após uma convivência harmônica e comunicante de 5 anos. Se for psiquiatra ou psicanalista, de 10 anos. E a canonização dos santos vai ter que ser renegociada com a Cúria de Roma: a preliminar de santidade vai exigir que o candidato tenha convivido com pelo menos 20 gatos de ambos os sexos ao longo de 10 anos e haver conseguido meia dúzia de curas de enfermidades em gatos de rua.

Para presidente da República, não há o que fazer. A imprensa é contra os gatos, pobres e oposicionistas de fato. Já pensou um gato no Planalto? O pobrezinho morreria de inanição afetiva. Pior só na FIESP. Mudemos rápido de ambiente.

Mas bem que eu votaria num candidato que tivesse coragem de instalar um gatil em cada centro de decisões.

A esta altura, você já deve estar perguntando: "Por que tem de ser gato? Não pode ser cachorro, cavalo ou papagaio?"



Estes animais são muito simpáticos, mas não atendem à finalidade. Todos esses animais em alguma medida se domesticam: noutras palavras, abrem mão de parte da sua animalidade para se "humanizar". O gato não. Este jamais concede em sua gatidade. Você é que tem de gatizar-se. E este é o exercício fundamental.

A coerência dos gatos com a sua animalidade não abre espaços para concessões de qualquer natureza. Desta "pedagogia através dos felinos" estamos todos carentes. Lidar com um Outro a quem temos de escutar, um Outro que não negocia com nosso narcisismo e não se esforça para atender aos nossos rompantes e ruídos.

- Muito chato, dirá alguém que não queira sair de sua ereta "humanidade".

Chato não diria. Talvez exija algum esforço, alguma quebra de paradigmas. Mas as conquistas podem ser surpreendentes.

Sem querer incorrer em discriminações anticonstitucionais, devo admitir que algumas pessoas jamais conseguirão gatizar-se. Para estas é particularmente difícil humanizar-se.

Os álibis para afastar-se dos gatos são muitos. Soltam pêlos, fazem sujeira, provocam alergia, dão azar. Mistura de desinformação com burrice medieval.


O gato solta pêlos quando está nervoso ou assustado. Se o seu gato estiver soltando pêlos, dê uma olhada no ambiente.

O gato cumpre rituais genéticos de limpeza, em contraste com os humanos, que só agem com higiene se forem educados e vigiados. Limpeza é tão importante para o gato que, como deferência, ele se limpa diante da pessoa a quem ama.

É remota a possibilidade de um gato provocar alergia. Para não magoar o eventual queixoso, a gente evita dizer-lhe que seria mais produtivo se ele investigasse melhor sua história de alergias.

Os antigos egípcios É que trouxeram para o ambiente doméstico essa espécie até então selvagem. E trouxeram-na por admirar-lhe as posturas e virtudes "divinas". Há muito o que aprender e mimetizar nesse felino. Mas uma das gosmas mentais produzidas na idade média cristã foi a satanização do gato. Ainda hoje existem umas bestas bípedes que esquartejam gatos pretos em sacrifício, dando continuidade em sua classe social ao obscurantismo chique dos esotéricos e zodiacais da elite ignara.


Para mais alguma coisa serve a presença do gato em nossas casas: para sabermos quem são as pessoas com quem convivemos. Elas nos dizem isso muito claramente. E acrescento: os gatos em nossa civilização também servem para outras identificações em um nível mais amplo. Ou seja, os humanos se dividem entre os que são capazes e os que não são capazes de gostar de gatos. Significativamente, por exemplo, os primeiros conseguem operar mais facilmente com mudanças relacionais.