Follow by Email

quinta-feira, 7 de julho de 2011

No Blog da Cora Rónai - Campo de Santana - 7.7.2011

De volta ao Campo


Voltei ao Campo de Santana, dia desses, para conversar com o presidente da Fundação Parques e Jardins, David Lessa. A Fundação fica numa casa instalada dentro do Campo, tem vista para o verde e é um ponto de observação ideal para ver pivetes assaltando transeuntes e moradores de rua tomando banho no lago. Desde a semana passada, passou a ser também um bom ponto para se ver a PM fazendo a ronda em garbosos cavalos, e duplas de guardas municipais em bicicleta. Já é um com começo.

Lessa, que está no cargo há cerca de dois meses, não é estranho à FPJ: era seu diretor de arborização antes de assumir a presidência. Claro que não perdi a oportunidade de perguntar-lhe por que as podas das árvores do Rio são praticamente assassinatos. Sei que há tempos elas são cometidas pela Comlurb, mas continuo sem entender o que a Companhia de Limpeza Urbana tem a ver com árvores.

Lessa me explicou que a transferência de função da FPJ para a Comlurb aconteceu por uma complicada questão de falta e de excesso de contingente, e que ele mesmo, em tese, não é contra. Apenas acha que, já que a Comlurb poda as árvores, deve aprender a fazê-lo. Para isso, criou workshops (com o perdão da palavra) em que funcionários da FPJ ensinam, aos colegas da Comlurb, como proceder a podas menos calamitosas.

* * *

A questão da viabilização do Campo de Santana como espaço público seguro é coisa mais complicada. A limpeza, a eventual poda das árvores e o corte de grama são atribuições da Comlurb. A caça aos traficantes é com a Polícia Civil. A vigilância contínua cabe à Polícia Militar e à Guarda Municipal. A remoção dos moradores de rua fica por conta da Secretaria de Assistência Social. Os gatos abandonados deveriam ser cuidados pela Secretaria de Proteção e Defesa dos Animais, a Sepda, que tem, inclusive, um posto dentro do próprio parque. Acrescente-se a tudo isso um detalhe pequeno, mas fundamental: o Campo de Santana é tombado pelo Instituto Estadual do Patrimônio Cultural, o Inepac, a quem deve ser dirigida toda e qualquer proposta de alteração, por mínima que seja.

É por culpa do Inepac que os mais de 400 gatos lá existentes não têm onde se abrigar das chuvas e do frio. O Inepac acredita que, se não pensar nos gatos, eles deixarão de existir, como num passe de mágica; assim, não permite que as casinhas construídas para eles sejam espalhadas ao longo dos muros. As casinhas são verdes, pequenas e não incomodam ninguém, sequer visualmente, mas como Glaziou não previu casinhas de gato em meados do século XIX, quando projetou o Campo, o Inepac deu o contra, assim como deu o contra a um sistema alternativo de manilhas sobrepostas, nas quais os bichinhos também encontrariam abrigo.

Aqui se poderia começar um debate sobre o instituto do tombamento e suas virtudes e defeitos sob a ótica da gestão urbana, mas vou deixar isso para os especialistas na matéria – dos quais, imagino, o Inepac deva estar cheio. Lembro apenas que os pobres gatos não foram para o Campo de Santana de moto próprio, não têm como sair de lá sem que alguém tome providências, e que, até alguém tomar providências, ainda vai chover muito e fazer muito frio por lá.

* * *

"A situação do Campo de Santana se deteriorou muito ao longo dos últimos cinco anos”, diz David Lessa. “Em 2006 a Secretaria de Segurança Pública foi para a Central do Brasil. Com o aumento da segurança na área, toda a população que vive na rua ou da rua, e que então se juntava na Praça Procópio Ferreira, atravessou a avenida e veio para cá. Não estou falando apenas de prostitutas ou de pivetes, mas também de gente como a que vende balas para os motoristas no sinal. Essas pessoas compram no atacado, e depois reembalam tudo em pacotes menores. Para onde vão as embalagens descartadas? No caso do Campo de Santana, vão direto para o lago, como se pode ver a qualquer momento, e como mostrou a foto publicada pelo Globo semana passada. Há uma turma grande de embaladores logo ao lado da entrada da Presidente Vargas. Os guardas que temos nos portões são insuficientes para contê-los e nem estão preparados para isso. Às vezes até conseguem que saiam de lá, mas não adianta nada, porque eles apenas vão para outro canto do campo, e voltam logo depois. Com a população de rua não é muito diferente. Essa suja o parque, quebra os bancos para fazer fogueira, toma banho nos lagos... Há poucos dias a Secretaria de Assistência Social mandou uns agentes para cá. Saíram daqui dois ônibus cheios de pessoas. Pois a maioria já está de volta.”

* * *

David Lessa acredita que uma solução permanente para o Campo de Santana passa pela criação de um comitê gestor, com representantes de todos os envolvidos com o seu cuidado. Assim se poderiam articular ações conjuntas e eficientes, e assim, quem sabe, o carioca de bem poderia ganhar o seu lindo jardim de volta.

* * *

O gatinho da foto cismou de vir comigo da outra vez em que fui ao Campo. Fez bem. Chegou em casa com uma infecção séria e 41 graus de febre. Teria morrido em um dia ou dois. Hoje está curado e cresce a olhos vistos. Chama-se Fonseca, mas atende também por Marechal.


(O Globo, Segundo Caderno, 7.7.2011)