Follow by Email

domingo, 4 de março de 2012

Conheça os gatos da casa-museu de Ernest Hemingway




O romancista norte-americano Ernest Hemingway (1899-1961), autor de “Por Quem os Sinos Dobram”, “Adeus às Armas” e “O Velho e o Mar”, morou na ilha norte-americana de Key West (ponto ao Sul dos Estados Unidos, a apenas 90 milhas, ou 162 km, de Cuba), de 1931 a 1940.Hemingway, um dos principais autores norte-americanos de ficção, morou na ilha com Pauline, segunda de suas quatro mulheres, e dois de seus filhos, Patrick e Gregory. Ele escolheu uma casa construída em 1851, em estilo colonial espanhol, feita com pedras nativas e distante cerca de 100 metros do mar.

É uma casa de dois andares, não muito grande, mas cercada de amplos e agradáveis jardins tropicais, com móveis do século 17, azulejos espanhóis e pratos finlandeses na cozinha.

O período de Hemingway em Key West foi produtivo, já que a maioria de seus livros foram escritos na tranqüila ilha. Mesmo depois de se mudar do local, continuou usando-a como casa de veraneio até perto de sua morte.

Quando vivia na casa, Hemingway tinha pelo menos 50 gatos. Muitos deles tinham um gene dominante que fazia com que tivessem dedos a mais nas patinhas.

Esses bichanos seriam descendentes de um gato que teria sido trazido de Boston por um capitão de navio amigo de Hemingway (naquela época, a única maneira de chegar à ilha era de barco). Segundo a tradição dos marinheiros, os gatos de dedinhos a mais trazem boa sorte.

Atualmente a casa de Hemingway é um museu, onde vivem cerca de 60 descendentes daquele felino original e, como a ilha é pequena e os gatos cruzam entre si, muitos deles ainda têm dedos a mais.
Os gatos geralmente têm cinco dedos nas patas da frente e quatro nos das de trás. Mas os que têm polidactilia geralmente contam com dedos a mais nas patinhas da frente, e às vezes também nas de trás.

A polidactilia não impede os gatinhos de terem uma vida normal, mas eles não gostam muito quando alguém tenta segurar as patinhas diferentes.
Todos os gatos de Hemingway tem nomes e uma relação afetiva com o pessoal do museu, dos quais recebem mimos e ração de qualidade. Os mais velhos recebem alimentação enlatada.

Os gatos, muitos deles batizados com nomes de gente talentosa como Simone de Beauvoir e Pablo Picasso, têm uma rotina de dar inveja: vivem em casinhas nos fundos da casa, comem bem e dormem a maior parte do dia enquanto são observados pelos turistas do mundo todo. A manutenção deles é feita com parte do dinheiro arrecadado pelo museu. São vacinados anualmente, e recebem cuidados veterinários constantes.

Em sua maioria, os gatos de Hemingway são castrados, o que encerrou um costume antigo de doar gatinhos nascidos na casa para os visitantes. Atualmente, apenas alguns gatos são mantidos inteiros, para manter a população felina no local.
Quando não estão dormindo ou comendo, os gatos de Hemingway caçam bichinhos nos muitos canteiros da casa. Os muros da casa-museu são cercados por uma tela inclinada para dentro, para impedir que os gatinhos fujam. Mas será que eles querem abandonar esse paraíso?

Assista um mini documentário sobre os gatos de Hemingway Home



Site oficial: Hemingway Home