Follow by Email

domingo, 11 de março de 2012

Adestrar ou Condicionar um gato?

Este domingo será dedicado 
aos gatos. 
Uma singela homenagem a esses seres tão especiais e 
muitas vezes incompreendido.






Sempre que escrevo sobre comportamento felino, enfatizo a importância de se condicionar e não adestrar um gato. Mas por que usamos este termo?

Simples: um gato se condiciona, não se adestra. Existe uma tênue diferença. Para entender melhor, vamos buscar a informação na sua forma mais primordial: no bom e velho dicionário!!


Condicionamento segundo o Dicionário Michaelis: Ato ou efeito de condicionar. Na Psicologia: processo pelo qual uma resposta definitiva vem a ser provocada por um estímulo, objeto ou situação, diversa da resposta natural ou original; aprendizagem elementar por substituição de estímulos; o termo foi a princípio aplicado apenas a atividades reflexas, de onde o nome reflexo condicionado; hoje tem uso generalizado, aplicando-se também a reações complexas.

Adestramento segundo o Dicionário Aulete: (ou Adestração) Fazer ficar ou ficar, tornar (-se) (alguém, animal) treinado ou apto (a fazer algo); TREINAR(-SE); INSTRUIR(-SE) [td. : adestrar cães/soldados] [tdr. + em, para : adestrar animais para o circo.

Sim, a diferença é pequena, mas existe. Adestramento é quando ensinamos o animal a fazer truques, executar uma determinada ação em que na maioria das vezes não é natural de sua espécie ou essência. Já o condicionamento funciona como educação, um ajuste fino em seu comportamento. Por exemplo, quando queremos que o gato não suba em uma mesa. Isso é condicionamento. Mas se quisermos que o gato faça malabares, isso com certeza foge de sua natureza e certamente terá que ser adestrado para isso e não condicionado.

Há uma grande diferença no condicionamento destes dois animais tão fascinantes, por isso não devemos tratá-los da mesma maneira. Lembre-se GATO NÃO É CÃO PEQUENO!!

O fato é que o homem ainda se pergunta por que o gato não é facilmente adestrado. E eu sempre relembro que o ser humanos tem menor tempo de convivência com o gato do que com o cão. Conhecemos o gato há aproximadamente 5 mil anos, contra pelo menos 15 mil do cão. Isso já explica muita coisa. A tendência é o gato se aproximar cada vez mais de nós como os cães, mas isso vai levar tempo.

Eu particularmente acho que a beleza do gato está justamente aí: de não se submeter ao homem. Ele ainda é um dos poucos animais que não se curva ao homem. E isso ainda irrita muita gente…

Enquanto isso, vamos nos deliciando com este ser tão mágico!!

“A inteligência de um gato pode ser medida pelas coisas que ele se recusa a fazer…”
(eu desconheço a autoria, se algum leitor souber, favor nos informar!) 


Valéria Zukauskas

Etologia Felina - Professora e Cat Groomer, é formada em exatas e profissional do mercado pet há quase 10 anos. Idealizadora e proprietária do Centro Estético Peludos & Charmosos e de um blog homônimo sobre comportamento e Estética Felina. Membro do Clube Brasileiro do Gato desde 2006, acumulando títulos nos rankings de Gato do Ano na Categoria Neutros em 2008, 2009 e 2010. Professora de Estética Pet no Instituto Polígono de Ensino de São Bernardo do Campo, no curso Técnico em Veterinária. Palestrante, estudante, observadora e consultora de comportamento de felinos domésticos.
Twitter: @zukauskas