Follow by Email

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Vacinação em Felinos - Causa de Sarcoma por Aplicação



A vacinação em felinos requer alguns cuidados especiais e muitas verdades e mentiras são questionadas por proprietários e veterinários. Uma das principais complicações da vacinação em felinos é o surgimento dos sarcomas no local da aplicação nos casos de aplicação pela via subcutânea.

O Sarcoma tem maior incidência em animais jovens, nos casos de vacinação anti-rábica, polivalente e contra Felv e também nos casos de aplicação de medicamentos como corticóides, amoxilina, penicilina, lufenurona e soro fisiológico.

É importante ressaltar que a vacinação dos felinos é essencial e obrigatória para prevenir doenças e manter o animal sempre saudável; e também pelo fato de que algumas doenças como a raiva são questões de saúde pública.

                                                                                                                                   
       


SARCOMAS VACINAIS
A partir do início da década de 90, notou-se um grande aumento na incidência de sarcomas em gatos, principalmente a de fibrossarcoma. Pesquisadores da Universidade da Pensilvânia (EUA) relacionaram esse aumento com o surgimento de uma Lei estadual (1987) que obrigava a vacinação anti-rábica de todos os gatos, já que 75% desses sarcomas eram localizados em locais (região inter-escapular) comumente utilizados para aplicação de injeções, inclusive vacinas.

À partir daí, vários pesquisadores começaram a associar alguns sarcomas com locais de aplicação de vacinas, baseando-se na história clínica, local anatômico afetado e aparência histológica. Tentou-se associar a formação do sarcoma a um tipo específico de vacina ou marca, mas estudos diversos demonstraram que pode ocorrer em qualquer um deles.


             


PATOGENIA
A patogenia exata é desconhecida, mas parece envolver a estimulação de fibroblastos e miofibroblastos por adjuvantes e/ou outros componentes vacinais, resultando em inflamação, que associada ou não à outros carcinógenos não identificados ou oncogenes, levam à transformação neoplásica e desenvolvimento do tumor.

Há também relatos associando traumas à indução de sarcomas em felinos. Desta forma, há autores que consideram que os termos “sarcoma associado à vacina”, “sarcomas pós-vacinais”e “sarcomas vacinais não são adequados e que o termo “sarcoma no local de injeção” seria melhor, pois essas neoplasia também têm sido associadas à aplicação de outros produtos que não vacinas, como dexametasona , amoxicilina e até mesmo insulina. 

DIAGNÓSTICO
O diagnóstico dos sarcomas por aplicação em gatos pode ser confirmado principalmente por dois métodos: citologia e histopatologia.

CITOLOGIA
A citologia por agulha fina é muito útil para diferenciar processos inflamatórios de neoplásicos. No caso de neoplasia maligna de partes moles, ela poderá identificar tratar-se de sarcoma, mas não oferece diagnóstico preciso sobre a histogênese, ou seja, não identifica o tipo de sarcoma. Este método no entanto, não é muito adequado pela dificuldade de, na maioria das vezes, não se conseguir aspirar a lesão.

HISTOPATOLOGIA
O exame histopatológico deverá avaliar o grau de malignidade, a presença ou não de invasão hemolinfática e invasão tecidual, além da adequacidade das margens cirúrgicas.

A maioria é representada pelo fibrossarcoma e com pleomorfismo celular e nuclear, alta atividade mitótica, grandes áreas de necrose, denotando seu comportamento agressivo. Há geralmente infiltrado inflamatório periférico representado por linfócitos e macrófagos.